COLUNISTA
Competências profissionais para um novo mercado
   
Surge a necessidade de rever suas competências profissionais

Por Alini Engel e Gabriel Rodighero
10/07/2021 10h34

Vivemos em uma sociedade que enfrenta constantes transformações em decorrência de um cenário pandêmico, o qual requer atenção redobrada de todos os setores da economia. Nesse mercado de isolamento social e crise econômica, surge a necessidade de os profissionais reverem suas Competências, Habilidades e Atitudes, o famoso “CHA” visto na Administração que, por sua vez, sendo ciência humana medida por ciência exata, é uma das áreas mais abaladas por essas mudanças.

Neste contexto, percebe-se a difusão do conceito de inteligência emocional, que por sua vez, retrata a capacidade que o profissional tem de avaliar suas próprias emoções, como também sua postura e comportamento diante dos demais. Saber lidar com as situações de forma positiva beneficia o ambiente de trabalho e proporciona melhores resultados.  

Exige-se dos profissionais, mais do que nunca, a capacidade de se colocar no lugar do outro, de compreender e reagir de forma construtiva aos impasses que surgem a todo instante no mundo dos negócios, bem como autonomia perante a tomada de decisão, a qual precisa levar em consideração as questões financeiras, de sustentabilidade, impacto social e respeito mútuo. 

O profissional necessita se adequar as situações presentes, saber se posicionar de forma correta e justa, usando todo seu conhecimento teórico e prático a favor do desenvolvimento de suas atividades no cargo desempenhado. Agir em prol do crescimento empresarial e pessoal pode ser considerado um diferencial, pois atualmente percebe-se pouco comprometimento por parte de muitos profissionais no mercado de trabalho. Ser considerado comprometido também está ligado à capacidade de resiliência, ou seja, resistir ao estresse, superar as dificuldades do dia a dia e através delas se fortalecer e alcançar melhores resultados. 

Outra competência a ser observada nos profissionais é a constância, ou seja, a qualidade de não desistir facilmente, de ser persistente, cumprir as obrigações com retidão e assiduidade. Quando o profissional tem princípios como constância, foco e disciplina, diminui-se a probabilidade de erro. Porém se errar, não deve sentir-se incapaz e temer o recomeço a ponto de paralisar. Afinal, é errando que se aprende. 

Sair da zona de conforto para muitos é como navegar sozinho em mar aberto, sem direção e com receio do que pode acontecer. Mudanças ocorrem a todo tempo e exigem adaptação, por isso é imprescindível que o profissional busque novas informações, novos conhecimentos, de modo que encontre sua força e capacidade de superação, pois aquele que não investe em qualificação tende a permanecer desatualizado, sem perspectivas de evolução.

Nitidamente o mercado atual demanda profissionais qualificados que consigam relacionar todas as áreas de conhecimento. Quanto mais o profissional investir em qualificação, mais fácil será a ele se adaptar as mudanças. Use suas competências para o bem, seja visionário, saiba deslocar seus esforços e tirar o máximo proveito de suas habilidades. Se esforce para criar valor.


Download Imagem 1

   

  

menu
menu